Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE DE ULTRASSONOGRAFIA DOPPLER PENIANA PARA TERAPIA DE ONDA DE CHOQUE DE BAIXA INTENSIDADE NA DISFUNÇAO ERETIL EM RECEPTORES DE TRANSPLANTE RENAL. E UTIL? RESULTADOS DE UM ESTUDO DUPLO CEGO, CONTROLADO E RANDOMIZADO.

Resumo

Introdução e Objetivo: Disfunção Erétil (DE) em recipientes de transplante renal não é incomum. Terapia de Onda de Choque Extracorpórea de baixa intensidade (Li-ESWT) desperta interesse devido suas propriedades angiogênicas e tem demonstrado resultados atrativos com doença cardiovascular e DE. O objetivo do trabalho é analisar os parâmetros de Ultrassonografia Doppler peniana (USG-doppler) após Li-ESWT para o tratamento de homens com DE de provável etiologia vascular no contexto do transplante renal.

Métodos: 20 homens (idade média= 53,7 anos, entre 46 e 61) recipientes de transplante renal por pelo menos 6 meses e com alterações relativas à DE por pelo menos 6 meses foram selecionados. O estudo foi duplo-cego, prospectivo, randomizado, controlado por procedimento falso. O protocolo de Li-ESWT foi baseado em 2 sessões de tratamento semanais por 3 semanas. O tratamento falso controle foi realizado utilizando o mesmo aparelho, substituindo o probe por um que emite 0 energia, porém fornece o mesmo som e sensação de vibração durante o tratamento. Seguimento foi realizado com pontuação Index Internacional de Função Erétil (IIEF) e Erection Hardness Score (EHS) depois de 1, 4 e 12 meses.
USG-doppler com fármaco indução foi realizado antes e após 3 meses do tratamento. Diâmetro de artéria cavernosa foi medido antes e após injeção intracavernosa de 20 mcg de alprostadil. A velocidade sistólica e diastólica das artérias cavernosas foi avaliada após a injeção da droga. Diâmetro de artérias cavernosas e o índice de resistividade foram calculados.

Resultados: Um total de 20 pacientes foi recrutado para o estudo. 10 pacientes foram randomizados para tratamento falso e 10 para o braço com Li-ESWT. Os grupos foram similares em parâmetros de IIEF E EHS basais. Melhora de IIEF foi maior que 5 em 70% (entre 0-10) e em 10 % (entre 1-14) nos grupos com Li-ESWT e tratamento falso, respectivamente. Velocidade de pico sistólico médio, velocidade diastólica média, diâmetro das artérias cavernosas antes e após a injeção medicamentosa e índice de resistividade foram similares entre os grupos, antes e após o tratamento, sem melhora detectável.

Conclusões: Li-ESWT é um tratamento não-farmacológico com eficácia clínica. Mais estudo são necessários para determinar protocolos otimizados de terapia. Apesar de evidências sugerindo neoangiogênese, nosso protocolo curto não teve impacto em parâmetros de USG-doppler.

Palavras Chave ( separado por ; )

Disfunção Erétil; Terapia de Onda de Choque Extracorpórea; Transplante Renal

Área

Transplante Renal / Miscelânea

Instituições

Hospital das Clinicas da FMUSP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Kleiton Gabriel Yamaçake, Felipe Carneiro, Rodolfo Lourenço, José Cury, Peter Francolin, Felipe Saraiva Bernardes, Matheus de Almeida Carvalho Siqueira, Marcelo Puppo Bigarella, Affonso Celso Piovesan, William Carlos Nahas