Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

URETEROSTOMIA CUTANEA COMO DERIVAÇAO PARA PACIENTES SUBMETIDOS A CISTECTOMIA

Resumo

INTRODUÇÃO: O câncer de bexiga é uma das neoplasias mais
comuns do trato urinário e o nono tipo mais incidente, em nível mundial. A doença musculo invasiva corresponde a aproximadamente 30% dos diagnósticos e, 10 a 30 % dos casos, inicialmente não invasivos, irão evoluir para doença musculo-invasiva. Cistectomia radical com confecção de derivação urinaria continente é tido como tratamento padrão para o câncer de bexiga músculo invasivo porém com elevadas taxas de morbidade. Com taxas de complicação ao redor de 50%, é possível identificar a idade, também, como um fator de risco para complicações durante o ato cirúrgico. A ideia de abreviar o tempo cirúrgico para redução morbimortalidade além de diminuir os dias de internação no pós-operatório levanta questionamento sobre qual seria a melhor técnica de derivação urinaria pós cistectomia nesses pacientes.

MATERIAIS E MÉTODOS: foram revisados prontuários dos pacientes submetidos a cistectomia radical em nosso serviço de 2017-2019, sendo selecionados aqueles que foram submetidos a confecção de ureterostomia cutânea. Foram analisadas características dos pacientes e dados do pré, intra e pós operatório.

RESULTADOS: foi selecionado um total de 8 pacientes com idade média de 68,5 anos (61 a 73 anos). 7 pacientes tiveram abordagem eletiva e 1 de urgência (perfuração vesical pós cistostomia). Quanto ao estudo anatomopatológico, 2 pacientes tiveram achado de adenocarcinoma de colon invasivo da bexiga, 3 carcinoma urotelial de bexiga não invasivo e 3 carcinoma urotelial músculo-invasivo. 2 pacientes apresentaram fibrilação atrial no intra operatório. Foi deixado cateter ureteral em todos os pacientes (sonda de Levine ou cateter DJ), nenhum apresentou fístula urinária. 7 pacientes receberam dieta segundo dia de pós-operatório e 1 no quarto, nenhum apresentou distensão abdominal.

CONCLUSÃO: A ureterostomia cutânea consiste em boa opção para derivação urinária após cistectomia, especialmente em pacientes mais idosos e com pior status pré-operatório e/ou intercorrências intraoperatórias. Estudos adicionais são necessários para avaliar a evolução e implicações na qualidade de vida aos pacientes que foram submetidas a ela a longo prazo.

Palavras Chave ( separado por ; )

câncer de bexiga; cistectomia; ureterostomia cutânea; derivação urinária

Área

Uro-oncologia

Instituições

Unicamp - Sao Paulo - Brasil

Autores

Fabio Coltro Neto, Thairo Alves Pereira, Leopoldo Osvaldo Dias Ferreira, Wagner Eduardo Matheus, Ubirajara Ferreira