Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RESULTADOS E COMPLICAÇOES DA LINFADENECTOMIA INGUINAL MEDIAL PARA PACIENTES COM NEOPLASIA DE PENIS DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO NOS ULTIMOS 32 ANOS

Resumo

INTRODUÇÃO: A neoplasia de pênis é uma doença agressiva, sua disseminação se faz predominantemente por via linfática, sendo o comprometimento linfonodal o principal fator prognóstico.
OBJETIVO: Observar os resultados e complicações da linfadenectomia inguinal medial em pacientes com câncer de pênis, tratados no Hospita Amarl Carvalho nos últimos 32 anos.
MÉTODOS: Estudo retrospectivo observacional baseado na revisão dos prontuários dos pacientes portadores de neoplasia de pênis submetidos a amputação de pênis e linfadenectomia inguinal.
RESULTADOS: No total, 213 pacientes foram selecionados quanto ao objetivo do trabalho. Desses, 41 foram excluídos por falta de dados em prontuário, permanecendo no estudo 172 pacientes, dos quais 121 (70,34%) realizaram a linfadenectomia inguinal superficial medial e os outros 47 restantes já realizaram a linfadenectomia radical, devido a adenopatia palpável na apresentação da doença.
Dos 121 pacientes acima citados, 19 possuíam linfonodos positivos na análise histopatológica e radicalizaram a linfadenectomia medial. Os 102 restantes, sem comprometimento linfonodal, foram apenas acompanhados, sendo que 10 desses (10,8%) tiveram recorrência inguinal entre 6 a 12 meses de seguimento. Três perderam o seguimento e retornaram com massas cirurgicamente irressecáveis e os outros 5 foram submetidos a linfadenectomia inguinal radical bilateral (somente 2 com análise histológica positiva). Os pacientes tiveram tempo de seguimento médio de 39,8 meses (6-120 meses).
As principais complicações reportadas foram 18 casos de linfocele inguinal, 7 casos de edema de membros inferiores e 1 caso de linfedema de bolsa escrotal.
CONCLUSÃO: A linfadenectomia inguinal medial parece ser efetiva, segura, com baixos índices de complicação e de fácil realização. A recidiva de doença linfonodal inguinal tem altas taxas de cura com a radicalização da linfadenectomia, desde que o seguimento dos pacientes seja adequado.

Palavras Chave ( separado por ; )

Neoplasia de pênis; Linfadenectomia inguinal; Linfadenectomia Inguinal medial.

Área

Uro-oncologia

Instituições

Hospital Amaral Carvalho - Sao Paulo - Brasil

Autores

Rafael Parra dos Santos, Leonardo Pereira Tavares, Flavio Augusto Barroso, Carlos Hermann Schaal, Renato Prado Costa, Fernando Cesar Sala, Andre Pereira Vanni, Guilherme de Almeida Prado Costa