Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CISTECTOMIA RADICAL E DERIVAÇAO URINARIA: EXPERIENCIA DE 82 CASOS EM CENTRO ESPECIALIZADO

Resumo

Introdução: Cistectomia radical é o procedimento escolha para o tratamento de neoplasias vesicais músculo-invasivas. É um procedimento cirúrgico complexo, com altas taxas de complicações, mostrando melhores resultados quando realizada em centros especializados.
Objetivos: Relatar a experiência de serviço de referência oncológica com cistectomia radical e derivação urinária, para câncer de bexiga, em uma série consecutiva de 82 pacientes, sendo os procedimentos realizados por residentes de Urologia, sob orientação.
Métodos: Avaliação retrospectiva de prontuários médicos, abrangendo o período de janeiro de 2014 a abril de 2018, sendo avaliados fatores demográficos, além de fatores relacionados à patologia, procedimento cirúrgico e pós operatório.
Resultados: Durante o período avaliado, foram realizadas 82 cistectomias radicais abertas com derivação urinária e linfadenectomia pélvica bilateral. Idade média dos pacientes foi de 61 ± 4,5 anos, 15 (18%) pacientes foram do sexo feminino e 67 (82%) do sexo masculino. 88% dos pacientes eram ASA II ou III. Creatinina média pré operatória foi de 1,15 ± 0,35 mg/dL. O tempo médio de cirurgia foi de 290 ± 19,1 minutos. Média de sangramento intra-operatório foi de 835 ± 275,3 mL. Tempo de internação médio foi de 15 ± 8,9 dias. Em relação às derivações, foram realizadas 61 derivações a Bricker (67%), 18 neobexigas (21%) e 4 ureterostomias (4%). No total, 43% dos pacientes apresentaram algum tipo de complicação pós operatória, sendo 54% complicações graves (Clavien-Dindo III-V). 13 pacientes (15%) necessitaram de reabordagem cirúrgica. Índice de mortalidade durante a internação foi de 8%. Em relação à avaliação anátomo-patológica do espécime cirúrgico, 59% eram tumores localizados (T1 - T2) e 41% tumores localmente avançados ou com invasão de órgãos vizinhos (T3 - T4).
Conclusões: Em nossa experiência, observou-se curto tempo de internação e tempo operatório. O risco de mortalidade operatória foi maior, ao se comparar com o relatado na literatura, devendo se considerar o fato do procedimento ser realizado por urologistas em formação, além do número limitado de pacientes.

Palavras Chave ( separado por ; )

Neoplasia de bexiga; cistectomia radical; derivação urinária; Bricker; neobexiga

Área

Uro-oncologia

Instituições

Hospital Santa Marcelina - Sao Paulo - Brasil

Autores

Jorge Chagouri Ocké Jr, André Lazzarin Marani, Thyago Vieira Soares da Nóbrega, Lucas Bonachi Vergamini, Iure Carvalho de Souza, Luiz Felipa Brollo, Marcos Francisco Dall'Oglio, Fabiano Matsumoto Matsumoto, Azuil de Castro Laranjo Jr, Luiz Jorge Budib