Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE COMPARATIVA DA MUDANÇA DO DECUBITO VENTRAL PARA DECUBITO DORSAL NA NEFROLITOTRIPSIA PERCUTANEA EM UM SERVIÇO TERCIARIO ESPECIALIZADO DE ALTO VOLUME: OS RESULTADOS APOIAM ESSA ESCOLHA?

Resumo

INTRODUÇÃO E OBJETIVOS: A nefrolitotripsia percutânea (NLPC) é o tratamento padrão-ouro para cálculos renais grandes. Muitas variações de posicionamento têm sido estudadas para melhorar os resultados. Desde 2015, nosso grupo de Endourologia e Litíase Urinária mudou progressivamente do decúbito ventral (DV) para o decúbito dorsal (DD) na NLPC. Diante disto visamos comparar, dentro de um mesmo grupo de urologista experientes, os resultados cirúrgicos e as taxas de procedimentos livres de cálculos (LC) de acordo com a posição da NLPC
MÉTODOS: Os prontuários de todos os pacientes submetidos a NLPC em um centro de referência terciário de alto volume entre 2013 e 2017 foram revisados. Todos os pacientes foram operados sob a supervisão de seis urologistas experientes. Os pacientes foram aleatoriamente designados para a DV ou DD, de acordo preferência do cirurgião. Foram comparados todos os dados perioperatórios, incluindo: perfil do paciente (idade, sexo, índice de massa corporal e comorbidades); características tomográficas dos cáculos (massa calculosa, unidades Hounsfield e score de Guys); detalhes cirúrgicos (tempo operatório, tempo de radiação, tempo de internação, cálculos residuais em tomografia no primeiro pós-operatório em todos os pacientes, incluindo taxa de sucesso LC); e por fim complicações pós-operatórias (taxa de transfusão sanguínea (TS), drenagem de tórax (DT), lesão de cólon, eventos tromboembólicos e necessidade de embolização)
RESULTADOS: De um total de 612 NLPCs, 258 (42%) foram operados em DV e 353 (58%) em DD. Os dois grupos foram homogêneos em sua composição, com exceção que os pacientes operados em DD apresentavam maior índice de massa corporal (29,3 vs 27,5). Tempo operatório, internação hospitalar e tamanho dos cálculos residuais foram menores no grupo em DD do que em DV (123min vs 133min; 2,6 dias vs 2,86 dias; 4,4mm vs 6,9mm respectivamente, p<0,01) . O grupo DD também teve menos DT do que o grupo em DV (0,8% vs 3,1%, p=0,034). Não encontramos diferença estatística entre os grupos em sua taxa global de LC (40,7% DD vs 36% em DV, p=0,33) ou TS (2,2% DD vs 1,5% em DV, p=0,52)
CONCLUSÕES: A mudança do DV para o DD na NLPC resultou em menor tempo operatório, menor permanência hospitalar e menor necessidade de DT. Os dois grupos tiveram a mesma taxa de LC e TS. Esses resultados, aliados a comodidade e ergonomia para a equipe urológica e anestésica, podem explicar a atual tendência dos urologistas em realizarem cada vez mais NLPC em DD

Palavras Chave ( separado por ; )

nefrolitotripsia percutânea; decúbito ventral; decúbito dorsal; endourologia; litíase; nefrolitíase

Área

Litíase / Endourologia

Instituições

Hospital das Clínicas da FMUSP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Hugo Barone, Carlos Batagello, Fabio Torricelli, Giovanni Scala Marchini, Fabio Carvalho Vicentini, Alexandre Danilovic, William Carlos Nahas, Eduardo Mazzucchi