Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

IMPACTO DA OBESIDADE EM COMPLICAÇOES CIRURGICAS. AINDA DEVEMOS TRANSPLANTAR PACIENTES OBESOS MORBIDOS

Resumo


O aumento da obesidade entre pacientes com doença renal terminal representa um grande desafio para urologistas e nefrologistas. Muitos centros estabeleceram um limite superior no índice de massa corporal (IMC) para colocar um paciente na lista de espera ativa, devido a piores desfechos em relação à função tardia do enxerto (FTE), episódios de rejeição aguda e sobrevida do enxerto. No entanto, a obesidade também está relacionada a um maior risco de complicações cirúrgicas. Este estudo foi realizado para determinar o aumento do risco de complicações cirúrgicas em relação ao IMC.

Este estudo foi uma revisão retrospectiva de 2.212 receptores de transplante renal em um banco de dados de uma única instituição de janeiro de 1999 a outubro de 2017. Os transplantes combinados e as crianças foram excluídos. Os receptores foram classificados com base no IMC no momento do transplante: não obesos (IMC <25 kg / m2), excesso de peso (25 ≤ IMC <30), classe I (30 ≤ IMC <35), classe II (35 ≤ IMC <40) e obesidade classe III (IMC ≥ 40). A análise incluiu complicação vascular, ureteral, da ferida, deiscência parietal (superficial, eventração e evisceração), hérnia incisional, necessidade de intervenção e permanência hospitalar.

No total, houve 231 eventos em 226 pacientes. A regressão logística multivariada indicou um aumento significativo do risco de complicações precoces e tardias da ferida. O risco aumentou 1,9 vezes para cada 5 pontos do IMC (p <0,001), atingindo 17,5, 29,0, 45,0 e 60% com os IMCs de 30, 35, 40 e 45, respectivamente. Infecção da ferida e evisceração foram as complicações mais associadas ao aumento do IMC (2,0 e 2,7 vezes para cada 5 pontos do IMC, respectivamente, p <0,001). Menos de 50% das infecções de feridas e deiscências superficiais exigem intervenção , enquanto os outros eventos requerem intervenção quase 100% do tempo. Entre as complicações, não houve diferença na internação do paciente (26,2 ± 20,4; P = 0,42). Também não houve diferença na incidência de complicações vasculares e ureterais, com uma incidência global de 0,7 e 1,5%.

Palavras Chave ( separado por ; )

obesidade, transplante renal, complicações, infecção

Área

Transplante Renal / Miscelânea

Instituições

HCFMUSP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Matheus Almeida Carvalho Siqueira, Felipe Saraiva Bernardes, Maykon William Aparecido Pires Pereira, Renato Falci, Gustavo Xavier Ebaid, Ioannis MIchel Antanopoulos, Hideki Kanashiro, Affonso Celso Piovesan, William Carlos Nahas