Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ESTUDO DA INCIDENCIA E DA CONDUTA DE PACIENTES PORTADORES DE ESTENOSE DE URETRA APOS REALIZAÇAO DE CIRURGIAS PARA O TRATAMENTO DE PATOLOGIAS PROSTATICAS BENIGNAS E MALIGNAS

Resumo

Introdução e Objetivos: A estenose de uretra é definida como o estreitamento da luz uretral que pode ocorrer desde o meato até a uretra membranosa. Os índices de estenose de uretra após o tratamento para o câncer de próstata são bem conhecidos, no entanto estudos sobre essa doença após o tratamento de hiperplasia prostática benigna (HPB) são escassos na literatura. O objetivo do presente estudo é avaliar a incidência de estenose de uretra em pacientes submetidos a prostatectomia radical, ressecção trans-uretral de próstata (RTU) e cirurgia aberta para tratamento de HPB.

Material e Métodos: No período de março de 2014 a setembro de 2018 estudamos todos os pacientes que deram entrada em nosso serviço portadores de estenose de uretra. Também foram avaliados retrospectivamente todos os pacientes submetidos a prostatectomia radical, RTU de próstata e cirurgia aberta para correção de HPB. Foram estudados o índice de estenose de uretra, o local da estenose, a extensão e o tratamento utilizado. Para comparar os dois grupos (HPB e câncer de próstata) utilizamos o teste t de student (p<0,05).

Resultados: No período avaliado foram operados 386 pacientes em nosso serviço, sendo 160 de prostatectomia radical e 226 de RTU de próstata ou cirurgia aberta para HPB. Dos 386 pacientes, 13 (3,36%) desenvolveram estenose de uretra. Os 13 pacientes tinham média de idade de 74,5 anos. A etiologia da estenose de uretra foi pós-cirurgia para tratamento de HPB em 8 pacientes (6 tinham estenose de uretra bulbar, com média de estenose de 2,91cm e 2 de uretra peniana, com média de estenose de 1,25 cm) e 5 pacientes eram portadores de estenose de uretra pós prostatectomia radical (todos tinham estenose de uretra bulbar com média de estenose de 2.8cm), sem diferença estatística entre os grupos. Dos 13 pacientes, todos necessitaram de cirurgia aberta, sendo que 7 (53,85%) precisaram do uso de enxerto com mucosa bucal. Dos 13 pacientes, 2 (15,38%) precisaram de mais de uma intervenção.

Conclusão: Apesar de raras, as estenose uretrais após cirurgia para tratamento de patologias prostáticas são extensas e frequentemente necessitam do uso de enxertos para sua correção, com uma taxa importante de reestenose.

Palavras Chave ( separado por ; )

estenose de uretra; hiperplasia prostática benigna; neoplasia de próstata; uretroplastia; prostatectomia; ressecção transuretral de próstata

Área

Trauma / Uretra / Urologia Reconstrutora

Instituições

HOSPITAL FEDERAL DA LAGOA - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

FERNANDO SALLES DA SILVA FILHO, LUCIANO ALVES FAVORITO, JOSE ANACLETO DUTRA DE RESENDE JUNIOR, HENRIQUE BARBOSA DE MENEZES, RODRIGO RIBEIRO VIEIRALVES