Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Correlação entre litíase urinária, analisadas por cristalografia e bactérias não produtoras de urease

Resumo

Urolitíase é uma doença mundialmente comum, apresentando uma prevalência atual entre 5-20%, mas que deve chegar entre 50-70% nos próximos 10 anos. A etiologia da formação dos cálculos englobam múltiplas causas conjuntas, sendo uma delas a infecciosa. Na literatura atual, ainda é um pouco incerto os tipos de cálculos que são definidos como infecciosos, sendo muitas vezes descritos apenas os de estruvita (fosfato de amônio e magnésio), produzidos por bactérias produtoras de urease (Proteus, Staphylococcus, Klebsiella, e Pseudomonas) que ao degradam uréia em amônia e dióxido de carbono, promovem a alcalinização do PH urinário e a formação dos cálculos renais. O padrão-ouro para análise da composição do cálculo nos países desenvolvidos é a cristalografia. No entanto, no Brasil, a única técnica utilizada nos laboratórios é o método químico, o qual apresenta uma margem de erro na definição de até 40%. Em nosso trabalho, usamos a cristalografia como técnica para analisar os cálculos de pacientes do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) e Hospital Federal de Ipanema (HFI), retirados pelas técnicas padrões definidas para cada paciente. Um fragmento do cálculo coletado é, também, destinado à cultura bacteriana, e a partir dela os classificamos como sendo infeccioso ou não infeccioso.
Dos 146 pacientes analisados até o momento, 21 apresentaram cultura bacteriana positiva (14,38%), sendo 6 deles compostos de estruvita (28,57%) e 15 (71,43%) de outras composições. 11 cálculos colonizados possuíam bactérias produtoras de urease (52,38%), mas em 10 havia bactérias urease negativas (47,62%). A partir desses dados, concluímos que nem todos os cálculos com cultura bacteriana positiva são compostos de estruvita e estão associados somente a bactérias produtoras de urease. Portanto, temos evidências de que as infecções do trato urinário podem estar relacionadas também à formação de cálculos urinários aparentemente não infecciosos. Ainda é necessária a definição de uma relação causa-efeito, mas a associação garante a importância de pesquisas neste sentido. De fato pode haver um grande impacto na saúde pública, uma vez que o diagnóstico correto pode direcionar a um tratamento mais eficaz e auxilar na prevenção da doença, principalmente no que diz respeito à recorrência dela em pacientes com histórico de litíase, que hoje é de 50% entre 5 a 10 anos.

Palavras Chave ( separado por ; )

Litíase,

Área

Litíase / Endourologia

Instituições

UFRJ - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Jackson Da Cruz Machado, Juan Miguel Renteria