Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

USO DE IMPRESSAO 3D NO AUXILIO DE NEFRECTOMIA PARCIAL

Resumo

Introdução: Planejamento cirúrgico para nefrectomia parcial é atualmente subjetivo e não padronizado, dependente individualmente da expertise e experiência dos cirurgiões. A escolha entre técnicas de clampeamento vascular muitas vezes não são levadas em consideração pelos cirurgiões. O uso de impressão 3D pode auxiliar no planejamento cirúrgico para a preservação de néfrons.
Objetivo: Relatar 2 casos de nefrectomia parcial em pequenas massas renais, onde foram utilizadas impressões 3D para planejamento cirúrgico.
Métodos: Foram selecionados 2 pacientes provenientes da mesma clinica privada e operados no mesmo hospital pelo mesmo cirurgião em Florianópolis, SC. A escolha foi aleatória. A impressão 3D foi realizada pela mesma empresa, utilizando as imagens da tomografia computadorizada (TC).
Resultados: Paciente 1, feminino, 38 anos, assintomática, TC de abdome evidenciando nódulo sólido hipervascularizado com 1,2 cm, no terço superior do rim direito distando 1,0 cm do seio renal, com mínimo componente exofítico. Após verificar que a lesão não era vascularizada por ramos de artérias renais segmentares importantes, foi optado por realizar nefrectomia parcial videolaparóscopica sem clampeamento do pedículo renal. O procedimento ocorreu sem intercorrências, após isolamento do pedículo renal, porém sem clampeamento dos vasos do hilo renal. A paciente recebeu alta no 2o pós-operatório (PO), com Creatinina (Cr) de 0,9mg/dl. Anátomo-patológico (AP) evidenciou carcinoma renal de células claras (CCR) grau histológico I com margens livres. Paciente 2, feminina, 56 anos, assintomática, TC de abdome evidenciando lesão nodular sólida de 2,1 cm no terço médio do rim direito. Notou-se que a lesão era adjacente ao pedículo renal, posterior e rechaçava a veia renal. Optou-se por realizar nefrectomia parcial aberta com clampeamento total do pediculo vascular. O procedimento foi sem intercorrências. A paciente teve alta no 3o PO com Cr de 0,85mg/dl. AP evidenciou CCR grau histológico I com margens livres.
Conclusões: O uso da tecnologia de impressora 3D através da TC possibilitou o planejamento cirúrgico específico de cada caso de nefrectomia parcial. Além de planejar o clampeamento vascular, forneceu uma noção tridimensional da melhor maneira para se abordar a lesão cirurgicamante. Demonstrou facilitar a preservação da função renal, diminuição do sangramento e margens cirúrgicas livres de neoplasia.

Palavras Chave ( separado por ; )

nefrectomia parcial; impressão 3D; clampeamento vascular

Área

Uro-oncologia

Instituições

Imperial Hospital de Caridade (IHC) - Santa Catarina - Brasil

Autores

Vicente Codagnone Neto, Gustavo Winter, José Fernando Rodrigues Jr, Ari Rocha, Alvaro Kraemer Souto, Osvaldo Vieira, Alberto Ambrogini, Cesar Augusto Steglich