Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL DOS TUMORES VESICAIS RECORRENTES APOS TERAPIA INTRAVESICAL ATENDIDOS EM UM HOSPITAL TERCIARIO

Resumo

Introdução: O câncer de bexiga é o nono na incidência internacional de câncer e representa o quarto câncer mais comum entre os homens nos países ocidentais. O principal pilar do tratamento do câncer de bexiga não-invasivo é a ressecção trans-uretral do tumor de bexiga (RTUB). O câncer tem uma taxa de recorrência de 70%, com 20% das recorrências progredindo para doença avançada. Em vista disso, a RTUB é comumente seguido por tratamento local com quimioterapia intravesical ou imunoterapia. O Bacilo Calmette-Guérin (BCG) intravesical tem sido usado após a RTUB desde a década de 70 com uma taxa de 30% de recorrência apesar dessa terapia. Outros agentes podem ser utilizados terapia adjuvante intravesical pós-RTUB como uma alternativa ao BCG ou terapia de segunda linha. A gemcitabina é um antimetabólito, que tem atividade no tratamento do câncer de bexiga metastático. Uma revisão da Cochrane em 2012 encontrou que a gencitabina intra-vesical teve eficácia semelhante ao BCG pelo menos no grupo de risco intermediário e superior em pacientes refratários ao BCG.

Objetivo: Delinear o perfil de recorrência de pacientes submetidos a quimioterapia intra-vesical e imunoterapia atendidos em um Hospital Universitário

Metodologia: Foi realizado um estudo retrospectivo dos pacientes submetidos a terapia intra-vesical nos últimos 3 anos e levantados dados de prontuário para classificar os pacientes quanto ao risco, estadiamento patológico e achados operatórios. A análise estática foi realizada com software GraphPad Prism 8.

Resultados: Um total de 21 pacientes foram submetidos a terapia intra-vesical, destes aproximadamente 42% tiveram recorrência da lesão. As taxas de recorrência com BCG foram de 54% e gencitabina 30%. Quando comparados BCG x gencitabina não foi encontrado superioridade no tratamento de nenhuma delas após análise estatística, mesmo após estratificação do risco (p=0,72).

Conclusão: O BCG intravesical continua sendo a terapia adjuvante padrão de primeira linha. Entretanto, a gencitabina intravesical pode ser uma alternativa razoável nos casos em que a BCG é contraindicada, para pacientes intolerantes ou refratários à BCG e na atual indisponibilidade de BCG que enfrentamos.

Palavras Chave ( separado por ; )

TUMOR DE BEXIGA; TERAPIA INTRAVESICAL; GENCITABINA

Área

Uro-oncologia

Instituições

Universidade Federal do Paraná - Parana - Brasil

Autores

RAPHAEl FACHINI CIPRIANI, MARCELO MANGINI, ALEXANDRE CAVALHEIRO CAVALLI, DANIEL ELIAS CARARA, LYDIO BARBIER NETO, LUCIANO RICARDO SFREDO, IVAM VARGAS MARTINS DA SILVA, JOÃO GABRIEL SILVA LEMES, JOAQUIM LORENZETI ANDRADE, OSNY BARROS JÚNIOR