Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

EMPREGO DA LAPAROSCOPIA PARA CORREÇÃO DOS PROLAPSOS GENITAIS EM MÚLTIPLOS COMPARTIMENTOS

Resumo

INTRODUÇÃO: Ocorrência de prolapsos genito-urinários são comuns em pacientes multíparas ou após histerectomias. Manifestam-se como cistocele, retocele, enterocele, prolapsos de cúpula vaginal e uterino, em graus e combinações variáveis para uma mesma paciente, podendo ainda estar associado ou não a incontinência urinária de esforço. O uso de técnicas laparoscópicas para correção de defeitos do assoalho pélvico têm sido descritas para correção predominantemente do prolapso da cúpula, porém com esta técnica pode-se corrigir todas as formas acima mencionadas.OBJETIVOS: Demonstrar a técnica de correção laparoscópica de prolapsos genitourinários através do uso de telas em ambos os compartimentos pélvicos. MÉTODO: Paciente em Trendelenburg acentuada e membros inferiores afastados permitindo acesso à cavidade vaginal. Emprego de 4 portais: cicatriz umbilical, em fossas ilíacas e/ou hipogástrio. Abordagem do fundo de saco de Douglas com abertura do peritoneo posterior e dissecção ao longo da face anterior do reto, separando-a da parede posterior da vagina até o músculo elevador do anus em ambos os lados. Uso de retalho de Gynamesh para reforço do septo retovaginal, com formato retangular com a base em torno de 6 cm de largura na porção mais distal e é fixado com ponto de Mersilene 0 no músculo elevador do anus em ambos os lados,. Em seguida ponto de reforço na parede vaginal posterior e ligamento uterosacro. Abordagem anterior do espaço retrovesical separando a bexiga da vagina com dissecção distal até o nível do trigono e lateralmente para abrigar outro retalho com largura de 4 cm. O comprimento de ambos retalhos é de 15 cm. Fixação deste retalho à parede vaginal anterior com 2 suturas contínua ao longo de ambas bordas laterais com mersilene 0. Em caso de presença uterina o retalho anterior é unido ao posterior através de uma abertura de um dos ligamentos largos. Ambos retalhos são fixados ao promontório para a colpo-suspensão adequada. Rigorosa peritonização de ambos os retalhos. Os casos de incontinência urinária de esforço detectados no pré-operatório são corrigidos através de sling trans-obturatório. CONCLUSÃO:O uso de retalhos tanto para o compartimento anterior quanto posterior, mostrou-se muito satisfatório para a correção não apenas do prolapso da cúpula como também dos diferente graus de cistoretocele comumente associados, com elevadas taxas de sucesso e sem as complicações envolvendo as telas quando aplicados por via transvaginal.

Palavras Chave ( separado por ; )

Laparoscopia; Sacrocolpopexia; Prolapso

Área

Urologia Feminina

Instituições

Fundação Assis Gurgacz - Parana - Brasil, Master Clinica - Parana - Brasil

Autores

Milton Tatsuo Tanaka, Jose Barbosa Mendes Jr, Fabio Luiz Souza, Eduardo Fernando Pacagnan, Alex Sato Tanaka, Gustavo Marcondes C Martins, Juan Mateus Santana Mendes, Diego Sato Tanaka, Iago Augusto Santana Mendes, Lucas Rossato Chrun