Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

REIMPLANTE URETERAL BILATERAL LAPAROSCOPICO E HERNIA INCISIONAL GIGANTE: CASO CLINICO E FACTIBILIDADE TECNICA.

Resumo

Introdução: Fístula é uma conexão extra-anatômica entre estruturas embriologicamente diferentes, nos casos das urogenitais sob diversas etiologias como: iatrogênica, anomalias congênitas, malignidades, inflamações, infecções, radioterapia, trauma, tocotraumatismo, isquemia, entre outros. Particularmente as fístulas vesico-vaginal e fístula ureterovaginal (FUV) exercem prejuízo na qualidade de vida, perda laboral, além da possibilidade da associação entre elas.
Objetivos: Demonstrar a factibilidade técnica e o benefício PO na Ureterovesicostomia extravesical laparoscópica à Lich-Gregoir em casos de FUV com hérnia incisional (HI) gigante associada.
Métodos: Abordagem videolaparoscópica pura, sem hernioplastia
Caso Clínico: M.A., 42a, feminino, em pós operatório (PO) tardio de Histerectomia total em outro serviço com perdas urinárias contínuas via vaginal, além de micções espontâneas a cada 2h. Encaminhada ao Serviço de Urologia do Hospital Evangélico SUS, ao exame físico apresentava flacidez abdominal importante. Exame ginecológico com ausência de prolapsos genitais ou perdas a Valsalva. Na cistoscopia, ausência de orifícios ou fístulas. Teste do Tampão Vaginal com Azul de metileno sem pigmentação, no entanto, gaze com conteúdo líquido, com odor sui generis de urina. Em achados de tomográficos, presença de FUV bilateral e kinking de ureter direito, traduzindo a flacidez abdominal em uma HI gigante, com 2/3 do conteúdo intraperitoneal em seu interior. Realizada Ureteroscopia e identificado corpo estranho transfixante em ureter distal esquerdo, além de kinking ureteral. Passagem de cateter duplo jota bilateral com controle dos sintomas, porém paciente com bom prognóstico clínico e indisponibilidade de cateteres de longa permanência e seguimento potencialmente errático pela distância da cidade de origem. Indicado então reparo laparoscópico da Fístula Ureterovaginal.
Técnica: Video anexo, Redução do conteúdo herniário, Reimplante à Lich-Gregoir.
Resultados: Per-operatórios: Tempo: 4h30, perdas 300ml, lesões intestinais nenhuma, opióides até o 2º PO, complicação pós operatória Clavien-Dindo I. Alta do 6º pós operatório. Convalescença Cirúrgica habitual.
Conclusões: A técnica de reimplante ureteral bilateral laparoscópico já é relatado desde meados de 90, sem relatos de reimplante ureteral laparoscópico associados a HIs gigantes. Deste modo, o desafio promoveu resultado excelente PO, encorajando todos os colegas a elencar a técnica como opção nestes casos.

Palavras Chave ( separado por ; )

Fístula Ureterovesical; Reimplante Ureteral; Hérnia Incisional Gigante, Ureteroplastia

Área

Trauma / Uretra / Urologia Reconstrutora

Instituições

Hospital Evangélico de Londrina - Parana - Brasil

Autores

Eduardo Pinheiro Góis Feniman, Hilius Roberto de Campos, Jaime Comar Filho, Walter Colonello Filho, Fernando Leão Costa, Silvio Henrique Maia de Almeida