Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

LESOES VESICAIS INCIDENTAIS DURANTE RESSECÇOES ENDOSCOPICAS DE PROSTATA: PREVALENCIA, DIAGNOSTICO E ACHADOS ANATOMOPATOLOGICOS

Resumo

Introdução: A hiperplasia prostática benigna e a neoplasia de bexiga são duas patologias de alta prevalência. Não raro, o diagnóstico de lesões vesicais é feito durante as ressecções transuretrais de próstata (RTU). Realizamos um levantamento das descrições cirúrgicas de RTU de próstata realizadas nos últimos 5 anos no HSPE - SP, afim de determinar a prevalência desses achados vesicais, assim como determinar os fatores de risco para essa condição e correlacionar as descrições macroscópicas com os resultados anatomopatológicos. Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo do tipo série de casos, de um único centro em São Paulo, baseado na análise de prontuários e descrições cirúrgicas para obtenção de dados pré-operatórios e informações de achados cirúrgicos, em pacientes submetidos a ressecção transuretral de próstata no HSPE – SP no período de janeiro/2012 até dezembro/2017. Resultados: A amostra foi composta por 513 pacientes, com média de idade de 70,8 anos. Cento e nove pacientes (21,2%) apresentaram lesão vesical no momento da cirurgia. Os pacientes com achado de lesão na bexiga apresentaram maior idade (p=0,005), maior índice de infecção urinária de repetição (p<0,001) e a maior parte deles fazia uso de sonda vesical de demora (p<0,001). Os locais mais frequentes de aparecimento das lesões foram o fundo vesical (55,0%), assoalho (16,5%) e cúpula (10,1%). Considerando as descrições macroscópcias das lesões encontradas, as mais comuns foram edema bolhoso (67,9%), lesão papilífera (14,7%) e lesão vegetante (7,3%). Das 90 lesões vesicais que foram enviadas para estudo anatomopatológico, a maioria (67,8%) resultou em cistite crônica e 16 (17,7%) se revelaram lesões malignas. O tabagismo foi fator de risco para câncer de bexiga, com aumento de 5,2 vezes na ocorrência deste patologia (p=0,022). Também foi objeto de estudo a correlação das descrições macroscópicas das lesões vesicais com os resultados anatomopatológicos. Das lesões descritas como edema bolhoso, 8,8% se mostraram lesões malignas à análise histológica. Conclusão: Pacientes com idade mais avançada, em uso de sonda vesical de demora e com histórico de infecção urinária de repetição apresentaram mais alterações na mucosa da bexiga. Tabagistas e ex-tabagistas apresentaram risco mais elevado de lesões malignas. Esses achados sugerem a necessidade de proceder-se à biópsia ou ressecção das lesões vesicais inadvertidas pelo risco de malignidade, mesmo em lesões aparentemente benignas.

Palavras Chave ( separado por ; )

Ressecção endoscópica de próstata; Lesão vesical; Tumor de bexiga

Área

Uro-oncologia

Instituições

IAMSPE / HSPE - SP - Sao Paulo - Brasil

Autores

Rafael Cunto Romero, Luis Augusto Seabra Rios, Renato Panhoca, Wagner Aparecido França, Conrado Garrigos Pascini, João Paulo Barbosa, Estevão Amin