Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

IPSS, PARÂMETROS CLÍNICOS E QUALIDADE DE VIDA NA HIPERPLASIA PROSTÁTICA.

Resumo

Introdução: Hiperplasia Prostática (HP) é muito comum nos homens a partir dos 50 anos, podendo associar-se a sintomas do trato urinário inferior. O escore mais utilizado para avaliar a gravidade e definir o tratamento é o IPSS (Escore Internacional de Sintomas Prostáticos), o qual avalia sintomas de armazenamento e esvaziamento e permite a classificação em sintoma leve (0-7), moderado (8-19) e grave (20-35). A doença costuma interferir nas atividades diárias e no padrão do sono dos pacientes, sendo importante avaliar a interferência na qualidade de vida do paciente, um fator norteador para otimizar o tratamento.
Objetivos: Verificar a relação entre IPSS, parâmetros clínicos e qualidade de vida em pacientes com HP.
Métodos: Estudo transversal com revisão de prontuários de pacientes com HP atendidos em ambulatório de urologia de hospital universitário no período entre março/13 a novembro/17. Coleta de dados com formulário padronizado com informações demográficas, IPSS, uso de medicações, comorbidades e parâmetros clínicos (PSA, Ultrassom de vias urinárias (US)). Digitação dupla dos dados no programa EpiData 3.1. Análise do banco de dados realizada no programa Stata 11.2, utilizando teste estatístico ANOVA com Intervalo de Confiança de 95% (IC95%) e nível de significância estatística de 5%.
Resultados: Foram analisados 362 prontuários, a idade média foi 65,5 anos. IPSS médio foi 12,4, tendo sintoma leve, moderado e grave, respectivamente, 41,4%, 31,8% e 26,8%. Qualidade de vida insatisfatória foi relatada por 24,6%. O PSA médio foi de 4,5 ng/mL e o peso médio da próstata ao US 50,9g. Qualidade de vida insatisfatória foi relata por 2,8%, 24,8% e 58,0% dos pacientes com sintoma leve, moderado e grave, respectivamente (p<0,001). O PSA médio nos pacientes com sintoma leve, moderado e grave foi 3,1ng/mL, 3,6ng/mL e 7,5ng/mL respectivamente (p<0,001). O peso médio da próstata ao US foi 43,9g, 51,0g e 61,1g nos pacientes com, respectivamente, sintoma leve, moderado e grave (p=0,002).
Conclusões: Os valores médios de PSA e peso da próstata ao US foram maiores quanto maior o IPSS, assim como qualidade de vida insatisfatória foi mais comumente relatada por estes pacientes. Apesar de amplamente reportado na literatura a ausência de relação entre tamanho da próstata e gravidade dos sintomas, em nosso estudo encontrou-se essa associação. Os achados do trabalho reforçam a ligação entre níveis de IPSS e a gravidade da doença e sua importância no manejo desses pacientes.

Palavras Chave ( separado por ; )

Hiperplasia de Próstata; IPSS; Qualidade de Vida.

Área

Hiperplasia Prostática Benigna

Instituições

Universidade Federal do Rio Grande - FURG - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

Henri Luiz Morgan, Arthur Franzen Petry, Samuel Carvalho Dumith, Yuan Ting Hsu