Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Reclassificação do Escore de Gleason em pacientes submetidos a prostatectomia radical em um serviço de urologia do Sul do Brasil

Resumo

Objetivo: Avaliar o risco de elevação do escore de Gleason do exame anatomopatológico no câncer de próstata em pacientes submetidos a prostatectomia radical, ao compara-lo com anatomopatológico da biópsia pré-operatória.
Métodos: Estudo de coorte retrospectivo, realizado no Hospital Nossa Senhora das Graças (Canoas/RS) em homens com diagnóstico de câncer de próstata diagnosticados entre fevereiro de 2014 e novembro de 2016. Foram incluídos pacientes submetidos a biópsia de próstata e prostatectomia radical subsequente, e as histologias obtidas através de ambos os métodos foram comparadas. A avaliação de fatores de risco de reclassificação foi realizada por modelo de regressão de Cox.
Resultados: Quarenta e um casos foram analisados sendo que 37 que tinham informações completas. A média de idade foi 65±6 anos. A mediana do PSA pré-operatório foi 9 [IQR: 6-19], o número médio de fragmentos positivos foi de 7±4. O tempo médio de acompanhamento dos pacientes foi de 9 meses (IC 95%: 8-11). Nos exames anatomopatológicos provenientes de biópsias transretais de próstata, 13 pacientes (35%) apresentaram escore de Gleason 6 (3+3), 22 (60%) escore 7 e 2 (5%) escore 8 ou superior. Na análise das peças cirúrgicas, 9 pacientes (24%) foram classificados como Gleason 6, 17 (46%) como Gleason 7 e 11 (29%) como Gleason 8 ou superior (P<0.01). Apenas 4 pacientes (10%) foram reclassificados com escore inferior, enquanto 19 pacientes (51%) foram reclassificados com escore de Gleason superior. Os 14 restantes (37%) não modificaram a graduação. Entre os pacientes que apresentaram upgrading, o tempo médio entre o diagnóstico e a realização da cirurgia foi de 10 meses (IC 95%: 8-14) para biópsias com Gleason 6, 9 meses (IC 95%: 7-11) para Gleason 7 e 3 meses (IC 95%: 3-3) para Gleason 8 ou superior.
Conclusão: Não está claro se a elevando a graduação (upgrading) se deve unicamente a diferenças amostrais, ou a progressão da doença de fato, pois a graduação histológica do câncer de próstata obtida através de biópsia transretal apresenta limitações. No entanto, observou-se reclassificação, upgrading do escores de Gleason ao longo do tempo, principalmente nos pacientes de risco intermediário.

Palavras Chave ( separado por ; )

câncer de próstata; Gleason

Área

Uro-oncologia

Instituições

Hospital Nossa Senhora das Graças - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

Felipe Civeira da Rocha, Daniel Freitas Soares, Leonardo Zanuz, Pedro G Geyer, Luiz Augusto Tarrago, Luciano Zuffo