Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

MANEJO CIRURGICO, ANESTESICO E COMPLICAÇOES DE NEFRECTOMIA RADICAL COM TROMBECTOMIA DE TUMOR RENAL ASSOCIADO A TROMBO TUMORAL EM VEIA CAVA: EXPERIENCIA DE SERVIÇO TERCIARIO.

Resumo

INTRODUÇÃO: Uma das complicações mais temidas do carcinoma de células renais (CCR) é a formação de trombo tumoral na veia renal e sua extensão para a veia cava inferior, podendo chegar ao átrio direito. Isso pode ocorrer em aproximadamente 3 a 10% dos pacientes com CCR. Diversas abordagens cirúrgicas já foram descritas, dependendo da extensão e da localização do tumor. Devido a complexidade dos casos, há grande necessidade de avaliação pré-operatória minuciosa.
OBJETIVOS: Correlacionar o manejo cirúrgico, as técnicas anestésicas e as complicações peri-operatórias de pacientes submetidos a nefrectomia radical e trombectomia de trombo tumoral invadindo veia cava em hospital terciário de Fortaleza-CE nos últimos 05 anos.
MÉTODOS: Realizada análise do prontuário de dez pacientes submetidos a nefrectomia radical e trombectomia por carcinoma de células renais e trombo tumoral. Todos os casos foram operados sem o uso de circulação extracorpórea. Foram analisados parâmetros cirúrgicos, anestésicos, complicações e sobrevida dos pacientes.
RESULTADOS: Foram identificados dez pacientes submetidos a nefrectomia radical com trombectomia entre 2013 e 2018. A média de idade foi de 69 anos. Sete pacientes do gênero masculino e 03 do feminino. Segundo a classificação de Novick, 5 pacientes tinham trombo na veia cava em até 2cm da saída da veia renal (nível 1), 3 pacientes na cava abaixo da intrahepática e 2 pacientes na cava intrahepática. Nenhum paciente apresentava trombo tumoral no átrio direito. O subtipo histológico de todos os tumores era carcinoma de células claras. Sete pacientes apresentavam doença metastática a distância (4 com metástases pulmonares e 3 com metástases hepáticas. O tempo cirúrgico foi variável, indo de 210min de cirurgia, até 400min, com média de 296min. O tempo anestésico variou de 245min a 450min, média de 330min. Perda sanguínea média estimada ficou em torno de 3000ml, variando de 900ml a 8000ml. O tempo de hospitalização variou de 5 a 25 dias, com média de 12 dias. A taxa de mortalidade no período de 30 dias após a cirurgia foi de 30%.
CONCLUSÕES: A nefrectomia radical associada a trombectomia para tumor renal associado a trombo tumoral de veia cava é procedimento complexo e deve ser realizado em centros especializados e com experiência e estrutura para realizar tal procedimento. A taxa de mortalidade, mesmo em grandes centros é elevada devido à complexidade dos pacientes e muitas vezes de múltiplas comorbidades associadas.

Palavras Chave ( separado por ; )

TUMOR RENAL; TROMBO DE CAVA; NEFRECTOMIA

Área

Uro-oncologia

Instituições

CLINICA ARIEL SCAFURI - Ceara - Brasil, SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FORTALEZA - Ceara - Brasil

Autores

BRUNO ROBERTO SILVA FERREIRA, MARIA AMELIA DANTAS GADELHA FERREIRA, ANGELO CUNHA FIGUEIREDO FILHO, MARINA ALVES SAMPAIO SCAFURI, ARIEL GUSTAVO SCAFURI