Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TENDENCIAS DO CANCER PENIANO E IMPACTO ECONOMICO NO SISTEMA PUBLICO DE SAUDE BRASILEIRO EM 25 ANOS.

Resumo

Objetivo
Descrever as tendências epidemiológicas do câncer de pênis (CP) e seu impacto econômico no SUS nos últimos 25 anos.
Materiais e métodos
Dados do DATASUS foi utilizado junto ao SIH/SUS. Os dados epidemiológicos e gastos públicos relacionados ao diagnóstico e tratamento do CP (CID-10 C60) foram analisados ​​no período de janeiro /1992 a dezembro / 2017. Utilizado dado de mortalidade e incidência do INCA. Os dados demográficos foram obtidos no último censo do IBGE, realizado em 2010 e sua revisão de 2017.
Resultados
Segundo o DATASUS, houve 9.743 internações hospitalares relacionadas ao CP de 1992 a 2017, com uma média de 364,35 internações anuais. A região Nordeste foi responsável pela maior parte das internações com 3.178 (50%). Houve redução significativa nas internações hospitalares absolutas relacionadas a CP em 2017 versus 1992. Em 1992, representaram 2,7 por 100.000 internações, enquanto em 2017 reduziu para 1,7 por 100.000 internações, o que representa uma redução de 36% ( p <0,001). Ao considerar os dados demográficos de cada região brasileira em 2017, houve 0,078 internações por 100.000 pessoas na Região Norte, enquanto na Região Sul houve 0,033:100.000 pessoas. O tempo médio de internação hospitalar foi de 6,06 dias, com maior tempo para pacientes internados na região Centro-Oeste e na região Nordeste com menor média de 5,3 dias.
As despesas corrigidas com internações relacionadas ao CP neste período totalizaram US$ 3.002.705,73, com uma média anual de US$ 115.488,68. Cerca de 38% do total foi gasto na Região Nordeste, seguido pelo Sudeste (36%), Sul (12%), Centro-Oeste (7%) e Região Norte (5%). As despesas relativas ao PC sofreram uma redução de 77,2%. Em 1992, PC afetou o SUS, com US $ 193.502,05, representando 0,0046% do total gasto no SUS naquele ano; em 2017, no entanto, os custos relativos do CP reduziram-se para 0,0010%, com um total de US $ 47.078,66 (p <0,02). Segundo o INCA, a incidência de PC em 2017 foi de 0,43 por 100.000 pessoas no Brasil, com maior taxa de incidência encontrada na região Nordeste. De 1992 a 2017, as taxas de mortalidade por CP foi de 0,38 por 100.000 homens, sendo 0,50 por 100.000 homens na Região Norte.
Conclusão
O câncer de pênis é uma patologia muito frequente no Brasil, com elevadas taxas de mortalidade, ocorrendo predominantemente em áreas de baixo IDH na região Nordeste. O ônus econômico e social do PC para a saúde pública brasileira ainda demanda mais estudos.

Palavras Chave ( separado por ; )

Custos do câncer de pênis; SUS.

Área

Uro-oncologia

Instituições

Faculdade de Medicina do ABC - Sao Paulo - Brasil

Autores

Antonio Flavio Rodrigues , Frederico Timóteo, Willy Baccaglini, Fernando Korkes