Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

IDENTIFICAÇAO DA DISFUNÇAO ERETIL EM PACIENTES SUBMETIDOS A PROSTATECTOMIA POR CANCER DE PROSTATA EM UM CENTRO DE ATENDIMENTO EM BELEM-PA

Resumo

Introdução: O câncer de próstata é o segundo mais comum na população masculina em todo o mundo e o de maior incidência nos homens brasileiros. Esse crescimento das taxas de incidência de câncer de próstata pode ser explicada devido ao aumento da expectativa de vida, a melhoria e a evolução dos métodos diagnósticos. Dessa forma, um dos tratamentos de escolha o tratamento dessa patologia é a prostatectomia radical. No entanto, esse procedimento pode apresentar algumas complicações tardias, dentre elas, a disfunção erétil (DE).
Objetivos: Identificar a incidência e a terapêutica da DE em pacientes tratados devido a câncer de próstata através de prostatectomia radical.
Métodos: Trata-se de um estudo ecológico exploratório. As informações foram obtidas através do banco de dados disponibilizado pelo Centro de Atendimento Médico e Fisioterápicos – CAMF Mônica Moura. A amostra foi constituída de homens com diagnóstico de câncer de póstata e que tiveram como tratamento a prostectomia. Foi aplicado o International Index Erectile Function - IIEF-5, para avaliar presença e gravidade da DE. Resultados: 59 pacientes selecionados foram submetidos à prostatectomia radical (via perineal ou retropúbica). Dentre essa amostra analisada, 29 (49,15%) apresentaram disfunção erétil após o tratamento cirúrgico. 14 desses pacientes foram classificados através do IIEF-5, de modo que 4 (28,57%) se enquadraram como DE leve, outros 3 (21,43%) como DE leve-moderada, 3 (21,43%) como moderada e 4 (28,57%) como DE grave. Para os 29 pacientes acometidos por DE do estudo, foram instituídos os tratamentos de fisioterapia para 16 pacientes (55,17%), fisioterapia combinada com uso de Inibidor de Fosfodiesterase 5 (IPDE-5) para 11 pacientes (37,93%) e somente com o uso da medicação para 2 pacientes (6,9%). Por fim, dos 29 pacientes tratados, 8 (27,6%) apresentaram melhora clínica do quadro de DE, sendo que 4 utilizaram de fisioterapia, 3 de fisioterapia associada à IPDE-5 e 1 usando IPDE-5 isoladamente.
Conclusões: A incidência de DE pós prostatectomia radical (via perineal ou retropúbica) foi de 49,15%, tendo uma distribuição de gravidade equilibrada pela avaliação com o IIEF-5. Uma boa parte dos pacientes não conseguiu obter melhora clínica satisfatória mesmo com os tratamentos empregados.

Palavras Chave ( separado por ; )

Prostatectomia; Neoplasias da Próstata; Disfunção Erétil.

Área

Disfunção Sexual

Instituições

Universidade Federal do Pará - Para - Brasil

Autores

Matheus Ramos Protasio, Luiz Lima Bonfim Neto, Marcello José Ferreira Silva, Karlene Thayane Barros Da Silva, Luma Pires Negrão Carolyne De Araújo, Mônica De Moura Ferreira, Marcus Vinícius Baptista Queiroz