Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Utilização da terapia de tração após o tratamento cirúrgico da curvatura peniana congênita: avaliação prospectiva dos resultados em uma série de três casos

Resumo

Introdução:

A curvatura peniana congênita é uma enfermidade relativamente rara. O tratamento cirúrgico se faz necessário quando a curvatura interfere negativamente na qualidade de vida sexual do paciente.

Objetivo:

Avaliação prospectiva do uso de extensor peniano como terapia complementar após a correção cirúrgica da curvatura peniana congênita.

Materiais e métodos:

Acompanhamento prospectivo de 3 pacientes com curvaturas congênitas. O diagnóstico das curvaturas congênitas foi realizado por auto fotos em ereção máxima e o ângulo de curvatura medido através do método das linhas de Kelâmi. O comprimento peniano sob tração máxima foi obtido com régua, segundo método descrito por Gabrich e cols. Os pacientes foram avaliados por uma psicóloga durante o pré-operatório. Todos foram submetidos à ortofaloplastia com enxerto de derme, sem plicaturas complementares, com terapia de tração peniana com o objetivo de reduzir eventuais curvaturas residuais e de alongar o comprimento peniano real sob tração máxima. O extensor peniano usado foi o Pró-Extender®, 6 h/dia durante 6 meses. A avaliação da curvatura residual foi realizada através de auto fotos após 3 e 6 meses. A medida do comprimento peniano sob tração máxima foi avaliada após 6 meses.

Resultados:

Paciente 1 – MJFB, 20 anos, curvatura peniana congênita com 65 graus, ventral, sem tratamento prévio. CRtmáx:19cm.
Após 3 meses do pós-operatório (PO): 30 graus ventral. Resultado final e CRtmáx após 6 meses: menor que 10 graus ventral e 20,5cm respectivamente.

Paciente 2 – RRNA, 25 anos, curvatura congênita com 60 graus, lateral esquerda. Há 4 anos havia sido submetido a uma plicatura peniana com recidiva completa da curvatura 30 dias após a cirurgia. CRTmáx: 16cm.
PO: curvatura residual após 3 meses: 25 graus.
Resultado final e CRtmáx após 6 meses: menor que 10 lateral esquerda e 17cm respectivamente.

Paciente 3 – LDAS, 27 anos, curvatura peniana congênita com 80 graus, lateral direita, sem tratamento prévio. CRTmáx: 17cm.
PO: curvatura residual após 3 meses: 40 graus.
Resultado final e CRtmáx após 6 meses: 15 graus e 18cm.

Conclusão:

O uso da terapia de tração peniana após a ortofaloplastia com enxerto de derme, sem plicaturas complementares, como tratamento cirúrgico da curvatura peniana congênita, parece corrigir eventuais curvaturas residuais e alongar o comprimento real sob tração máxima. Estudos com maiores níveis de evidência e uma população maior são necessários para a confirmação de tais achados preliminares.

Palavras Chave ( separado por ; )

Curvatura peniana congênita; terapia de tração

Área

Trauma / Uretra / Urologia Reconstrutora

Instituições

Hospital Universitário Pedro Ernesto - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Luiz Augusto Westin, Eloisio Alexsandro da Silva, Miguel Osta, Thales Mendes Miranda, Raphaela de Almeida Gazzoli, Ronaldo Damião