Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

LINFADENECTOMIA RETROPERITONEAL POS QUIMIOTERAPIA NA NEOPLASIA DE TESTICULO: AVALIAÇAO RETROSPECTIVA DE 11 CASOS TRATADOS NO HOSPITAL UNIVERSITARIO DE BRASILIA.

Resumo

Introdução: Os tumores germinativos do testículo, por serem as principais neoplasias de órgãos sólidos em homens jovens (5% do total de casos de câncer masculino), desperta grande interesse. Quando diagnosticado precocemente e realizado tratamento adequado, possui baixo índice de mortalidade. Em 2015, foram registradas 259 óbitos devido a neoplasia de testículo no Brasil, de acordo com o Atlas de Mortalidade por Câncer. Tumores germinativos dos testículos possuem disseminação linfática de localização previsível e geralmente é a única sede de metástases. Geralmente, apresentam boa resposta a tratamento quimioterápico.
Objetivo: Avaliação do perfil dos pacientes submetidos a linfadenectomia retroperitoneal no serviço de Urologia do Hospital Universitário de Brasília.
Método: levantamento retrospectivo em prontuários dos pacientes.
Resultados: Foram incluídos dez pacientes no estudo. A média de idade foi de 31,09 anos. Acometimento a direita foi verificado em 6 pacientes. Apenas 2 pacientes apresentavam tumor testicular misto, os demais 8 pacientes apresentavam tumor não-seminoma em anatompatológico do testículo ressecado. Verificado estadio II em 60% dos casos. Pelo menos 60% pacientes foram submetidos a quimioterapia com esquema BEP. Os marcadores tumorais para neoplasia de testículo estavam negativos em pelo menos 90% dos casos à indicação de linfadenectomia retroperitoneal de resgate. O limite superior da cirurgia foram os vasos renais. Apesar de descrição de complicações intraoperatórias, como lesões de veia cava (4), nefrectomia (2), secção de ureter com anastomose imediata, secção de nervo obturatório direito para ressecção tumoral (1) e lesão de alça intestinal (1), não houve nenhum óbito e somente um paciente apresentou intercorrência pós operatória com repercussão clínica, apresentando parestesia e plegia dos quatro membros no pós-operatório imediato com regressão sintomática progressiva, mas melhora parcial após 3 meses de pós operatório (secção de nervo obturatório direito). Na análise anatomopatológica, todos tiveram laudo compatível com teratoma maduro (7) ou imaturo (3).
Conclusão: Apesar de considerado procedimento tecnicamente difícil, com alta incidência de complicação intra-operatória, foi verificado boa evolução clínica e baixa mortalidade após o tratamento cirúrgico das massas residuais retroperitoneais. Em análise histopatológica de peça cirúrgica todos obtiveram laudos compatíveis com teratoma (maduro/imaturo).

Palavras Chave ( separado por ; )

seminoma;teratoma

Área

Uro-oncologia

Instituições

Hospital Universitário de Brasília - Distrito Federal - Brasil

Autores

RHANIELLEN SILVA FERREIRA, MARCOS PAULO BORGES MENDANHA, THIAGO VILELA CASTRO, FRANSBER RONDINELLE ARAUJO RODRIGUES, EDUARDO CARVALHO RIBEIRO, LUIZ ANGELO DE MONTALVÃO MARTINS, FERNANDO AUGUSTO FERREIRA DIAZ